É QUE EU TE AMO E FALO NA SUA CARA, SE TIRAR VOCÊ DE MIM… SOBRA TUDO!

e-que-eu-te-amo

________________________

É que eu te amo e falo na sua cara,

Se tirar você de mim não sobra n… Calma, calma aí “zoinho”. Vou lhe convidar a pensar um pouco, antes de terminar esse verso. Se tirar alguém de outra pessoa, por mais especial que ela seja, sobra TUDO. Sim, tudo! Veja bem:

Antes de iniciar um relacionamento, uma pessoa tem tudo na sua vida. Como assim tudo? Tudo o que ela tem, ora! Ela tem os seus hábitos, ela tem os seus gostos, ela tem os seus amigos, ela tem a sua família, ela tem os lugares que ela frequenta, ela tem os seus planos, etc. Isso é tudo! E a pessoa leva a sua vida com tudo isso, por melhor ou pior que seja a vida dela. Ao iniciar um relacionamento, a pessoa acrescenta novos elementos a este TUDO que ela já tem, ou perde/esquece/deixa de lado alguns elementos deste tudo. Explicarei.

  1. Quando se acrescenta novos elementos ao “TUDO”: Neste caso, a pessoa incorpora novos hábitos, gostos, amigos, familiares, lugares que frequenta, planos e objetivos à sua vida em detrimento do relacionamento. É comum que isso aconteça naturalmente ou forçadamente pela influência do outro com quem a pessoa se relaciona. Por exemplo, a pessoa pode passar a frequentar novos lugares por conta de o outro também frequentar, então como é natural que as pessoas que se relacionam conjugalmente frequentem lugares (de maneira geral) juntos, as pessoas podem acabar passando a frequentar novos lugares. Este é só um exemplo. Outro exemplo bem comum é o do gosto: Pessoas comumente passam a gostar de coisas novas (considere quaisquer tipos de coisas, das mais simples e banais às mais exóticas ou complexas) por conta da convivência com o outro. Nestes casos, está acontecendo uma soma de elementos novos ao TUDO que a pessoa já tinha.

VEJA:

WP_20151119_002

                Quando acontece de o relacionamento acabar, ou, como foi colocado nas palavras do compositor da música em questão, se tirar a pessoa da outra, o que irá sobrar é o TUDO que ela já tinha, no mínimo. Falo no mínimo por que pode restar também os elementos novos que ela acrescentou em sua vida durante o relacionamento, tanto parcialmente (ela pode conservar alguns dos elementos que somou de novo na vida dela durante o relacionamento) ou completamente (ela pode conservar todos os elementos que somou de novo na vida dela durante o relacionamento). Isso depende de cada caso!

VEJA:

WP_20151119_003

Mas, de certo, mesmo que a pessoa resolva abandonar (excluir da sua vida) tudo o que foi acrescido para ela durante o relacionamento, ainda sobrará o que ela era antes, ou seja, TUDO.

VEJA:

WP_20151119_005

  1. Já no caso onde a pessoa perde/esquece/deixa de lado alguns elementos deste tudo, é problemático. Geralmente as pessoas entram em um relacionamento para acrescentar coisas à sua vida. Sim, as pessoas entram em relacionamentos com o interesse de lucrar em alguma coisa, alguns querem alguém que as satisfaça materialmente, outros querem se satisfazer emocionalmente. Bom, não vem ao caso, talvez em outro texto. Estas pessoas que tem seus interesses bem definidos entram em um relacionamento e acrescentam na sua vida novos elementos com a convivência com o outro. Há outras pessoas, porém, que não acrescentam nada na sua vida e ainda abrem mão do que tinham antes de entrarem no relacionamento. ISSO É PROBLEMÁTICO.

                Eu já falei deste tipo de pessoa em alguns textos aqui, não especificamente com estes termos, mas sim como o indivíduo que se anula na relação. Este tipo de indivíduo perde a sua identidade em detrimento do outro. Ele não entende que o relacionamento é uma vida a parte da sua vida íntima pessoal. Existe a vida de cada cônjuge separadamente e a vida do relacionamento. Bem, cada cônjuge deve levar sua vida pessoal de uma maneira que não prejudique a vida do relacionamento, isto é certo. Porém há indivíduos que exageram e anulam a sua vida para viver para o relacionamento. Ou seja, a pessoa abandona tudo o que ela estava acostumada a fazer antes do relacionamento: hábitos, amigos, lugares para onde saía, gostos, etc. Veja bem, não estou colocando que as pessoas não devem abandonar nada da sua vida de solteiro quando entrar em um relacionamento, somente que ela deve abandonar o que for prejudicial ao relacionamento. No entanto, há pessoas que abandonam até o que não prejudicaria de maneira alguma o relacionamento, espontaneamente ou por imposição do outro.

                Quando uma pessoa abandona os seus hábitos, os seus gostos, os lugares que ela frequentava antes de entrar em um relacionamento, os seus amigos e até familiares em detrimento de um relacionamento, sendo que se ela não abandonasse isso tudo o seu relacionamento não seria prejudicado, ela estará abandonando o seu TUDO, ou seja, o que ela era, o que ela gostava, o que ela fazia. Neste caso, se tirar a outra pessoa dela a única coisa que restará é a NECESSIDADE DO OUTRO. Ou seja, a pessoa abandonou o TUDO pelo outro, então o outro é a única coisa que ela tem agora; Tirando o outro dela só restará a falta, a necessidade do outro.

VEJA:

WP_20151119_007

                Neste caso o “zoinho” está certo. Se tirar uma pessoa da outra não sobra nada. Porém, essa pessoa que se encaixa nesta situação precisa de ajuda psicológica!

_____________________

~:::~

(Anderson Yankee)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s