MITO, FILOSOFIA, SENSO COMUM E CIÊNCIA

O Conhecimento

Já dizia Aristóteles: “O homem, por natureza, deseja conhecer” (In Metafísica)

A frase de Aristóteles, encontrada no seu livro “Metafísica” diz respeito à atitude natural do homem de tender a conhecer as coisas que o circundam. Esse desejo de conhecer vai do simples conhecimento de coisas banais, como saber quem é alguém que passa do outro lado da rua, à coisas mais complexas como a origem do universo, as propriedades do ser ou fundamentos a priori.

É pelo ato de conhecer que se dá o conhecimento. Conhecer pressupõe familiarizar-se com um objeto de estudo. Nessa familiaridade o sujeito irá penetrar nas minúcias do objeto e assim julgar do mesmo, ou seja, dizer o que é e o que não é a respeito daquilo que ele está estudando. Por exemplo, se o indivíduo pega um tomate e quer conhecê-lo ele irá analisar o tomate como objeto de estudo. Deste modo ele formará juízos a respeito do tomate, como por exemplo, que ele é de determinada cor, que possui tais características por fora e por dentro, enfim, o Maximo de propriedades que ele possa abstrair do objeto.

O seu julgamento a respeito do objeto pode seguir diversas tendências segundo o que o sujeito acredita, Isto é, o que o individuo diz a respeito do objeto de estudo se encaixará em um dos tipos de conhecimento possíveis. Os tipos de conhecimento mais importantes na história são o mítico, o senso comum, o científico e o filosófico.

 Conhecimento Mítico

 

            Esteve bastante presente na cultura grega antiga, considerado até como religião. Está bastante ligado ao rito (ritual), uma experiência mística direcionada a uma divindade.

O conhecimento mítico, ou o Mito, trata-se de narrativas que geralmente tratam da origem do homem, do universo, sentimentos. O Mito tem caráter simbólico, ou seja, as narrativas contem significantes, com isso o leitor tem que abstrair o significado destes para se chegar ao entendimento da narrativa. O Mito está bastante ligado à religião, então atribuem muitas das suas passagens a deuses, figuras mitológicas, etc.

            Apesar de o Mito tentar explicar a origem de coisas como o universo, o homem, entre outros, os seus argumentos ou passagens não são considerados como tendo fundamento, ou seja, como tendo caráter de verdade, pois ele é basicamente fundado numa espécie de misticismo, em algo que não se constata na realidade, que na maioria não tem sequer fundamento lógico.

            O Mito hoje somente nos serve como literatura, e muito boa por sinal. O termo “mito” também é usado como forma pejorativa de se falar de um argumento ou fundamento, crença.

Senso comum

A superstição é um exemplo de senso comum, algo em que se acredita sem uma determinada reflexão e comprovação dos fatos.

            O senso comum é a forma de conhecimento mais presente no dia a dia das pessoas simples que não se preocupam prioritariamente com questões científicas, ou seja, das pessoas simples que estão mais preocupadas com coisas banais do dia a dia, como trabalhar, assistir sua televisão, ter seu lazer, conversar amenidades, etc. Isto não quer dizer que não haja conhecimento cientifico válido entre estas pessoas ou que não haja senso comum no âmbito cientifico.

Ele é uma forma de pensamento superficial, ou seja, não está preocupado com causas e fundamentos primeiro de algo, apenas faz afirmações irrefletidas, imediatas. O senso comum está bastante atrelado à cultura, sendo cultivado de geração em geração. Basicamente, o senso comum engloba as opiniões formadas há muito tempo e que foram cultivadas ao longo do tempo, como por exemplo, “fazer um chá de determinada planta para uma determinada dor” – De fato, já há pesquisas que comprovam a utilidade de plantas no tratamento de algumas doenças, no entanto, o que temos nessa situação é uma atitude própria do senso comum. É visto que se usa o chá para a dor sem uma comprovação cientifica, ou seja, ela é baseada simplesmente na opinião de alguém que foi propagada ao longo do tempo. O perigo de atitudes como estas é que sem a devida comprovação o chá pode fazer mal a curto ou longo prazo e a pessoa pode ter sérias complicações.

Então, o senso comum é uma forma de conhecimento superficial, imediato, irrefletido e baseado na opinião, na troca de experiências sem comprovação cientifica. É um conhecimento popular que está intrinsecamente ligado à cultura de um determinado lugar.

Conhecimento científico

 

O conhecimento científico é de caráter objetivo, procura estabelecer regras gerais válidas para todas as experiências (repetidas) possíveis. Diferentemente do senso comum, este tipo de conhecimento não se baseia na mera opinião, ele busca na realidade as causas e os porquês dos fatos. Ou seja, o conhecimento científico busca explicar de maneira concreta os fatos, fenômenos da natureza.

É também um conhecimento prático passível de prova, ou seja, tem uma finalidade e utilidade e podem ser reproduzidos quantas vezes forem preciso para que se prove que a tese é verdadeira. Esta é uma das principais características deste tipo de conhecimento, o que o diferencia dos demais tipos.

O conhecimento científico busca explicar as coisas mais variadas, e das mais simples às mais complexas. Explica por exemplo que o que nós respiramos é o gás oxigênio e que a sua fórmula é H2O. A busca da ciência ajuda a melhorar e facilitar a vida das pessoas, por exemplo, desenvolvendo a tecnologia.

Os cientistas se utilizam dos mais variados recursos para que as suas teses cientificas tenham valor de verdade. Ela tem esse valor quando é provada através da reprodução da tese. Não se chega à verdade cientifica sendo superficial, aceitando resultados imediatos ou com pouca reflexão, pelo contrário, o cientista tem que mergulhar infinitamente no seu objeto para descobrir o Maximo possível de informações sobre tal objeto.

A lógica, análise, coerência, comprovação são indispensáveis para o conhecimento científico, pois é com estes instrumentos que se pode criar uma tese de caráter válido, ou seja, considerado verdade. Mas é importante saber que este tipo de conhecimento é de caráter provisório, ou seja, as teses elas servem enquanto não são superadas por outros cientistas com melhores argumentos ou fundamentos. Deste modo, o conhecimento científico está em constante renovação, pois sempre tem alguma tese que era anteriormente aceita sendo desbancada por alguém com um trabalho mais avançado, mais satisfatório.

Conhecimento Filosófico

 

O conhecimento filosófico é uma forma de conhecer mais abrangente que qualquer outra forma de conhecimento, ele busca os conhecimentos mais gerais. Os principais objetos da filosofia são o homem e o universo.

A peculiaridade da forma de conhecer filosófica é que, diferentemente das outras formas de conhecer, ela busca os princípios fundamentais, as causas primeiras do objeto em questão. Essa busca transcende, ultrapassa os limites da ciência. Isto se dá por que as questões levantadas pela filosofia têm um caráter diferente das questões levantadas pela ciência, as questões destas são em sua maior parte de caráter contingente, enquanto que as questões daquela são de caráter universal e necessário.

Algumas das questões levantadas pela filosofia são “Qual a natureza do homem”, “O que é o tempo e quando ele se iniciou – Ele é infinito”, “O que é o mundo; Ele sempre existiu ou foi criado”, “Quais os limites e as possibilidades de conhecimento do homem”, entre outras.

É importante saber que, diferentemente do conhecimento cientifico, o conhecimento filosófico é, sobretudo, especulativo. Com isso, este tipo de conhecimento não visa uma prática, uma experimentação, pois se inicia e tem fim na teoria; A filosofia é puramente teorética.

Assim, um conhecimento filosófico parte de uma especulação acerca da realidade. As questões mais gerais da filosofia estão relacionadas ao homem e ao universo em sua totalidade. Com a reflexão filosófica se chega aos princípios, leis, regras, fundamentos dos objetos de um maneira que ultrapassa os limites da ciência, mas não o da razão, pois toda reflexão filosófica deve ser racional, lógica, coerente. Ademais, não é por que ela ultrapassa os limites da ciência que ela seja algo abstrato e fora da realidade, pelo contrario, o conhecimento filosófico tem total ligação com a realidade. Pois, se assim fosse, seria apenas palavras concatenadas sem sentido algum; E a filosofia é plena de sentido.

~X~

(Anderson Yankee)

http://ask.fm/Andyankee

About these ads

9 respostas em “MITO, FILOSOFIA, SENSO COMUM E CIÊNCIA

  1. O conteúdo é bom, mas as cores do blog e o plano de fundo atrapalha e muito na leitura. Meus olhos doeram assim que o site abriu, se eu não estivesse muito interessada eu teria fechado. Fica a dica!

    • Receito a vc um bom oftalmologista Maisa, seu caso deve ser sério. Ou então vc pode optar por diminuir o brilho da tela do seu pc. Fico tentando imaginar como é que letras brancas em um fundo preto (E preto e branco são as cores predominantes da página) pode atrapalhar a leitura, e mais… Fico imaginando como é que o PRETO pode ofuscar a visão. Cara, assume que tu tem problema de vista e para de querer colocar o problema na página dos outros. Repito, procura um oftalmologista. Não estou interessado no seu problema, mas “Fica a Dica”.

      • Se os olhos doeram assim que o site abriu, também acho que ela tenha problema de vista, mas não é mentira quando Maisa afirma que este plano de fundo deixa a visão um pouco confusa ao passar muito tempo lendo suas páginas, PARA QUALQUER PESSOA, quer tendo problema de vista ou não. Não é opinião minha. Isso está claro, tendo em vista este xadrez preto e branco que ofusca a vista de qualquer um ao movimentar a página. Apesar disso, gostei do ambiente, mesmo assim; assim como o conteúdo, que é bem esclarecedor… Obrigada pela disponibilização.
        OBS.: Leve como uma crítica do bem. Os blogueiros geralmente pensam em agradar seus leitores, não expulsá-los de suas páginas.

      • Ah, como é bom ler uma crítica construtiva de alguém que sabe como fazer tal crítica; Olha bem a maneira como a tal pessoa do comentário anterior se expressou. Minha réplica foi mais por pirraça mesmo. Repensarei o plano de fundo e assim que me agradar de outro tratarei de mudar. Abraço.

  2. Muito bom o site, tenho uma prova amanhã e foi ótimo lê-lo. Apenas uma observação: “Explica por exemplo que o que nós respiramos é o gás oxigênio e que a sua fórmula é H2O.” H2O é a fórmula da água não do gás oxigênio, este é O2.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s